MESQUITA, A CAÇULA DA BAIXADA FLUMINENSE!

Os primeiros cidadãos da área onde está assentado o município de Mesquita foram os índios Jacutingas. A localização, farta de mananciais de água que desciam do Gericinó, proporcionava a formação de belíssimas cachoeiras e ricas florestas. Nos locais baixos, as águas produziam uma bacia hidrográfica e desciam em direção ao rio Sarapuí. Dos índios, infelizmente, sobrou apenas o nome de um dos bairros da cidade: Jacutinga.

A cidade de Mesquita é um município brasileiro do estado do Rio de Janeiro. Sua população em 2010 era de 168.403 habitantes, de acordo com o IBGE. O nome Mesquita é uma referência ao Barão de Mesquita, proprietário das fazendas que hoje compõem a região central da cidade.

A história da cidade ganha um novo capítulo a partir do Movimento Pró-Emancipação. Por volta dos anos de 1950 que surgiram os primeiros pensamentos emancipacionistas, onde Mesquita deixaria de ser o 5º distrito de Nova Iguaçu. Somente em 1987 houve o primeiro plebiscito. Mesquita conquistou sua emancipação no dia 25 de setembro de 1999.

Conheça a história da emancipação, através de um dossiê produzido por Waltinho Paixão, atual vice-prefeito e participante do processo, com documentos, fotos, e matérias jornalísticas que narram todos os passos que levaram a emancipação e transformaram Mesquita na cidade mais jovem da Baixada Fluminense.



O Brasão de Armas do Município de Mesquita, criado pela Lei nº 142 de 17 de dezembro de 2003 é o primeiro símbolo oficial da Cidade.

A Estrela em Chefe representa o município de Mesquita (autonomia, luz própria), ornada de uma Coroa-de-Louros (de origem grego-latina), caracterizando a merecida vitória, após sofrida, mas persistente, batalha, em busca da desejada EMANCIPAÇÃO.

A Roda (dentada), simbolizando a roda do Engenho da Cachoeira, em cujo território, surgiria Mesquita (sede do Município), antecipando-se à Chaminé, representativa das olarias e cerâmicas (atividade implantada à margem direita do traço ferroviário), entre as quais destacou-se a Ludolf Ludolf, exportando telhas francesas; seguindo-se à Caixa D`água, de importantíssimo estabelecimento fabril, conjunto esse simbolizando a Cidade Industrial; a locomotiva da Estrada de Ferro Dom Pedro II / Central do Brasil, representando a Cidade Comercial, fundamental para o escoamento da economia, ligando-se com a Capital do Império; e o conjunto de Elevações, representando o Maciço Gericinó da Chatuba ao Vale do Rio da Cachoeira (Rio ou Canal Dona Eugênia). A cana e a laranja (uma vez, que a produção mesquitense se incluía entre as laranjas preferidas, para o consumo argentino), guarnecendo o escudo, representando as riquezas dos campos do passado da geo-história mesquitense, os anos de 1884 e 1999, respectivamente, indicado o surgimento da Estação Ferroviária (Jerônimo de Mesquita, origem do nome Mesquita) e a data da criação do município de Mesquita.

O SIGNIFICADO DAS CORES

Ouro – força, persistência;
Prata – candura;
Goles (vermelho) – intrepidez, ousadia;
Blau (azul) – serenidade;
Sinople (verde) – abundância, fartura;
Sable (negro) – equilíbrio;


DISPOSIÇÃO DAS CORES E CARACTERÍSTICAS

O Brasão de Armas do município de Mesquita, assim posto, apresenta as seguintes características: Escudo Português, Campo Terciado em faixa, a primeira de Blau (azul), com uma Estrela de Ouro, destaca-se em Chefe, ornada com uma Coroa-de–louros, também em ouro; a segunda faixa, partida, o conjunto de símbolos, Ouro e Goles (vermelho), em campo de prata, e uma Locomotiva em Sable (negro) em campo de ouro; na terceira faixa, em campo de Blau (azul) um conjunto de elevações (morros), em Sinople (verde), conforme as nuances utilizadas pela Prefeitura. Listel de Ouro e Letras de Sable (negro), registrando os seguintes dizeres: “1884- Mesquita-1999”.

O conjunto encimado pela Coroa Mural de Cinco Torres, de Prata, que é da Cidade, com cinco aberturas, significando as ligações com os municípios limítrofes. O Escudo tem suportes ou guarnições, uma haste de cana e uma de laranja, frutadas, nas apropriadas cores, respectivamente.


Autor: Prefeito Municipal – Lei nº 222 de 21 de dezembro de 2005.

“Dispõe sobre a criação da Bandeira do Município de Mesquita e dá outras Providências”. A CÂMARA MUNICIPAL DE MESQUITA, por seus representantes legais aprova e eu sanciono a seguinte, LEI:

Art. 1° – Fica criada a Bandeira do Município de Mesquita, na forma abaixo, conforme figura 1: “Nas cores verde e amarela, representando as matas e as riquezas do Brasil, respectivamente, com o Brasão de Armas do Município ao centro, sendo: a estrela em chefe, que representa o Município de Mesquita (autonomia, luz própria), ornada de uma coroa de louros (de origem grego-latina), caracterizando a merecida vitória do povo mesquitense, após sofrida, mas persistente batalha, em busca da AUTONOMIA E DA LIBERDADE POLÍTICA DO NOSSO MUNICÍPIO; a roda (dentada), simbolizando a roda do Engenho da Cachoeira, em cujo território surgiria Mesquita (sede do município), antecipando-se à chaminé, representativa das olarias e cerâmicas (atividade implantada à margem direita do traço ferroviário, entre as quais destacou-se a Ludolf&Ludolf, exportando telhas francesas; seguindo-se a caixa d’água de importantíssimo estabelecimento fabril, conjunto simbolizando a Cidade Industrial; a locomotiva da estrada de ferro Dom Pedro Segundo/Central do Brasil, representando a Cidade Comercial, fundamental para o escoamento da economia, ligando-se com a Capital do Império; conjunto de elevações representando o Maciço Gericinó, da Chatuba ao Vale do Rio da Cachoeira (Rio ou Canal Dona Eugênia); a cana e a laranja (uma vez que a produção mesquitense se inclua entre a laranja preferida para o consumo argentino), guarnecendo o escudo, representando riquezas dos campos passados da Geo-História mesquitense; os anos de 1884 e 1999, respectivamente, indicando o surgimento da Estação Ferroviária Jerônimo de Mesquita, origem do nome Mesquita) e a data da criação do Município de Mesquita.

SIGNIFICADO DAS CORES

Ouro: força, persistência;
Prata: candura;
Goles (vermelho): intrepidez, ousadia;
Blau (azul): serenidade;
Sinople (verde): abundância, fartura;
Sable (negro): equilíbrio;


DISPOSIÇÃO DAS CORES E CARACTERÍSTICAS

O Brasão de Armas do município de Mesquita, assim posto, apresenta as seguintes características: Escudo Português, Campo Terciado em faixa, a primeira de Blau (azul), com uma Estrela de ouro, destaca-se em Chefe, ornada com uma Coroa-de-louros, também em ouro; a segunda faixa partida, o conjunto de símbolos, Ouro e Goles (vermelho), em campo de prata e uma Locomotiva, em Sable (negro) em campo de ouro; na terceira faixa, em campo de Blau (azul) um conjunto de elevações (morros); em Sinople (verde), conforme as nuances utilizadas pela Prefeitura. Listel de Ouro e letras de Sable (negro), registrando os seguintes dizeres: “1884 – MESQUITA – 1999”. Conjunto encimado pela Coroa Mural de Cinco Torres, de prata, que é da Cidade, com cinco aberturas, significando as ligações com os municípios limítrofes. O Escudo tem suportes ou guarnições, uma haste de cana e uma de laranja, frutadas, nas apropriadas cores, respectivamente.

Art. 2° – Esta Lei entra em vigor na data de sua publicação, revogadas as disposições em contrário.


De acordo com o Decreto 1.081, publicado no Diário Oficial Eletrônico, de 15 de fevereiro de 2012,
fica instituído o Hino Oficial do Município.


HINO

No ressoar de uma feliz memória
O coração pulsa forte e avista
Passado unido ao futuro na historia
A estampar os sinais de conquistas
As chaminés das tuas olarias
Apontam o sol a trazer novos dias
Terra que um dia foi caminho do ouro
No Estado do Rio também registrado
Como o Engenho da Cachoeira
Marcando o brilho de um tempo novo
Que ali já nascia indicando que havia uma força sobremaneira
Mesquita, nasce em setembro a tua primavera que floresce a esperança
Mesquita, na marcha do tempo bela aurora prá ti sempre avança
Dos jacutingas guerreiros a herança de carregar a bravura tenaz
Um refrigério foste pros tropeiros que descansavam em teus mananciais
E desfrutavam em teu tenro seio puros momentos de sonhos e paz
Em tuas serras um verde esperança
De um povo que sempre espera
Ir colhendo frutos doces de muitas mudanças
Lembrando o doce dos canaviais
E o destaque ao exportar indo além das fronteiras
Com a colheita dos teus laranjais
Mesquita, nasce em setembro a tua primavera que floresce a esperança
Mesquita, na marcha do tempo bela aurora prá ti sempre avança
Celeiro abrigo de muitos artistas
que a arte de te exaltar sopre forte
Um eterno ar que dê cidadania
A uma gente que sempre se importe
Com um chão fértil e por quem nele habita
Cantando as glórias e tuas conquistas
Tu és cidade de um belo passado
Estrada de ferro, olarias, laranjas e indústrias nunca sairão
Da mente onde estarão ilustrados
O esforço, o suor, a determinação
das pessoas da raiz do teu chão


(Música e Letra: Luciene Vasconcelos Gomes e João Paulo Gomes)